segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Kodi no RaspberryPi

Com o sistema operativo OpenELEC

clip_image001

O Raspberry Pi2 Modelo B é um pequeno computador, 900 Mhz quad core, com 1 GB RAM que se liga à TV através de um cabo HDMI.

E decodifica sem problemas vídeo HD H.264 1080p, com o interface de utilizador Kodi.

 

Instalar o sistema operativo OpenELEC no uSD.

OpenELEC ( "Open Embedded Linux Entertainment Center")

Fazer o download do file no site http://openelec.tv/get-openelec:

OpenELEC-RPi2.arm-6.0.0.img.gz

Descomprimir e escrever no uSD com o Win32 Disk Imager.

1… Descomprimir o file imagem OpenELEC.
2… Inserir o uSD no computador, usando um adaptador uSD para SD.
3… Abrir o Win32 Disk Imager e carregar o file imagem do Openelec.
4… Selecionar o drive no qual está inserido o uSD. (Ter o cuidado de selecionar o drive correto, se não for o correto o Win32 Disk Imager escreverá qualquer que seja o drive selecionado mesmo que seja no Hard Disk!!)

Depois do cartão uSD estar gravado com o Openelec, o uSD pode ser inserido no respetivo slot do Raspberry Pi.

Ligar à Internet com Ethernet ou com dongle Wi-Fi, e ligue um dispositivo que permita controlar o Kodi, como um teclado ou um rato.

clip_image001[4]

Depois de tudo ligado pode-se ligar a alimentação.

clip_image003

IPTV

Com este add-on activado é possível ver canais TV em directo através de uma lista disponibilizada.

Se o add-on não estiver activado, activar em:

Sistema > Definições > Add-ons > Add-ons desactivados > PVR IPTV Simple Client > carregar em “Activar”.

clip_image002

E a seguir configurar:

clip_image004

Insira a lista seguinte em: Configurar> Geral > Localização > Localização Remota (endereço da internet)

> Endereço da lista de Reprodução M3U:

http://goo.gl/O3V9IF

Para a lista EPG no separador: Definições de EPG

> Endereço XMLTV:

http://epg.kodiportugal.com

clip_image006

E de novo em Sistema > Definições > TV ao Vivo > e em “Geral” seleccionar “Activado“.

clip_image008

 

Ver:

http://www.wirelesshack.org/how-to-install-kodi-on-a-raspberry-pi-model-2.html

http://www.adrianoafonso.net/blog/2015/kodi-no-raspberrypi-mediacenter/

http://www.instructables.com/id/Raspberry-Pi-2-Media-Center-Kodi-on-XBian/step5/Step-5-Install-XBian-on-the-Raspberry-Pi-2/

http://kodiportugal.pt/

https://seo-michael.co.uk/how-to-setup-livetv-pvr-simple-xbmc-kodi/

https://seo-michael.co.uk/tutorial-how-to-integrate-iptv-stalker-with-pvr-simple-client/

http://kodiportugal.pt/epg-programacao-para-kodi/

domingo, 28 de junho de 2015

Bitcoin Mining usando Raspberry Pi

A Bitcoin é uma moeda virtual criada em 2009. Esta moeda pode ser usada por exemplo como método de pagamento de serviços através da internet.

O seu funcionamento é independente de uma instituição financeira central e à prova de qualquer regulamentação governamental.

Há duas maneiras de obter Bitcoins:

    1. Comprando-as, através de uma troca, que é o processo de conversão de moeda local para Bitcoin.
    2. Mineração. A mineração é o processo de verificação de transacções no blockchain.

À medida que o conjunto do sistema Bitcoin é descentralizada, cada transacção é publicamente visível dentro do que é chamado de blockchain.

Este blockchain contém assim todas as bitcoin trocadas entre os utilizadores, como não há um servidor central, ele tem de ser  autor regulado.

Mineração usando o Raspberry PI

O que vai ser necessário: 

  • Raspberry PI + Cartão SD correndo Raspbian configurado para aceder a internet
  • Hub de alimentação para o dispositivo

clip_image001

O Raspberry PI

Essencialmente, é um computador constituído por uma única placa, desenvolvido com o intuito de promover o ensino de ciências da computação a um nível escolar. Assim sendo, é relativamente fácil de utilizar e tem uma infinidade de usos, nas mais diversas áreas.

Aqui vamos usar o modelo B que tem 512MB de RAM, duas portas USB e uma porta Ethernet.

Para instalar o sistema operativo consultar o site oficial do Raspberry Pi: http://www.raspberrypi.org/downloads e http://www.raspberrypi.org/wp-content/uploads/2012/04/quick-start-guide-v2_1.pdf .

A partir daqui assume-se que o RaspBerry PI está funcionar e totalmente configurado com internet.

Vamos aceder remotamente ao RaspBerry PI usando SSH através do PuTTY, para que isto seja possível, é necessário saber o respectivo endereço IP.

Podemos utilizar o Nmap, para fazer um scan de rede e obter os endereços IP dos dispositivos ligados ou verificar qual é o IP através do Router.

Usando o Nmap:

nmap -sP 192.168.1.0/24

Preparar o Raspberry Pi


O ‘miner’ a instalar vem como arquivos ‘source’, o que significa que o programa deve ser compilado para um binário antes de ser executado. Para fazer um programa, neste caso BFGMiner, são necessárias muitas dependências.


Dependências são softwares adicionais, ou bibliotecas que o programa necessita, a fim de compilar correctamente, uma vez que foi desenvolvido utilizando-os para tornar o software mais eficiente.


Depois de aceder ao RPi vamos teclar os comandos seguintes no terminal:


sudo apt-get update
sudo apt-get install autoconf autogen libtool uthash-dev libjansson-dev libcurl4-openssl-dev libusb-dev libncurses-dev git-core –y

Uma vez que todas as dependências foram instalados, agora vamos fazer o download e instalar o BFGMiner, então digite o seguinte no terminal:


git clone https://github.com/luke-jr/bfgminer.git
cd bfgminer
./autogen.sh
./configure
make

Obterá no ecrã algo parecido com o seguinte:

clip_image003

Começar Mining Bitcoin


Agora pode começar a mineração. Para fazer isso, depois de estar registado no Slush’s pool, vamos usar o comando seguinte:


./bfgminer -o stratum.bitcoin.cz:3333 -O username.worker:password -S all 

A secção username é composta de duas partes, o nome de utilizador que usa para aceder ao Slush’s pool, e o worker que é o nome que forneceu quando registou o worker. Finalmente, a password que foi definida quando criou o worker.



Se tudo funcionar, verá um ecrã que será semelhante a este:


clip_image005

BFGMiner como serviço


Agora vamos configurar o BFGMiner como um serviço Linux. Para fazer isso vamos criar um script de init:


sudo nano /etc/init.d/bfgminer

com o conteúdo seguinte:


#!/bin/sh
#/etc/init.d/bfgminer

case "$1" in
start)
echo "Starting bfgminer"
# run application you want to start
/home/pi/scripts/bfgminer.sh
echo "...started"
exit 1
;;
stop)
echo "Stopping bfgminer"
# kill application you want to stop
killall bfgminer
exit 1
;;
*)
echo "Usage: /etc/init.d/bfgminer {start|stop}"

O home/pi/scripts/bfgminer.sh é um script de uma linha que tem o meu comando BFGMiner que é algo como isto:


/home/pi/bfgminer-3.10.0/bfgminer -o http://stratum.bitcoin.cz:3333/ -u username.1 -p password -S all  -S antminer:all --set-device antminer:clock=x0981  --no-submit-stale  --api-listen >/dev/null &

Para que este serviço seja executado na inicialização digitamos:


update-rc.d bfgminer defaults 

Agora posso iniciar/parar (start/stop) BFGMiner como um serviço Linux com o comando seguinte:


sudo service bfgminer start  
sudo service bfgminer stop

Para obter mais informações, há uma série de sites e fóruns disponíveis, tais como https://bitcointalk.org/.



Referencias:



http://www.raspians.com/cpu-mining-on-the-pi-or-how-to-go-broke-mining/
http://computers.tutsplus.com/tutorials/how-to-create-a-raspberry-pi-bitcoin-miner--cms-20353
http://www.instructables.com/id/Bitcoin-Mining-using-Raspberry-Pi/?ALLSTEPS
http://blog.verticodelabs.com/raspberry-pi-bfgminer-service/

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Desulfatação de baterias Chumbo-ácido

Este circuito simples é projectado para prolongar a vida útil das baterias chumbo-ácidas, dissolvendo os cristais de sulfato de chumbo que se formam nas suas placas. É alimentado pela própria bateria (ou por um carregador) e fornece à bateria uma série de impulsos de alta voltagem.
A bateria chumbo-ácido (também conhecido como Acumulador de Chumbo) foi inventada pelo francês Gaston Planté em 1859. É uma associação de pilhas (chamadas de elementos, na linguagem da indústria de baterias) ligadas em série. A tensão eléctrica de cada pilha é de aproximadamente 2 volts. São usadas para armazenar energia.
A bateria de chumbo-ácido é constituída por dois eléctrodos; um de chumbo esponjoso e o outro de dióxido de chumbo em pó, ambos mergulhados numa solução de ácido sulfúrico com densidade aproximada de 1,28g/mL dentro de uma malha de liga chumbo-antimónio. Esta liga é mais resistente à corrosão que o chumbo puro.
Quando o circuito externo é fechado, ligando electricamente os terminais, a bateria entra em funcionamento (descarga), ocorrendo a semi-reação de oxidação no chumbo e a de redução no dióxido de chumbo
No acumulador, o chumbo é o ânodo enquanto o dióxido de chumbo é o cátodo.
 
O efeito chumbo-sulfato
Embora as baterias sejam indispensáveis, elas tem os seus defeitos. Provavelmente a sua principal desvantagem é que têm uma vida de trabalho relativamente curta, tipicamente não mais do que cerca de três ou quatro anos.
Cada vez que a energia é extraída de uma bateria de chumbo-ácido, o chumbo e os iões do sulfato do electrólito combinam-se e são depositados nas placas sob a forma de cristais de sulfato de chumbo. Então quando a bateria é recarregada, estes cristais dissolvem-se outra vez no electrólito de ácido sulfúrico.
Mais precisamente, a maioria deles redissolve-se - mas não todos. Mesmo se a bateria não está totalmente descarregada e é sempre recarregada imediatamente depois de ter sido descarregada, uma pequena proporção do sulfato de chumbo permanece nas placas. Estes tornam-se em cristais de sulfato de chumbo "duros" que são muito menos solúveis e menos condutores do que antes.
Na prática, a formação destes cristais de sulfato de chumbo “duros” reduz gradualmente a capacidade de armazenamento de energia da bateria. Isto acontece tanto por mascarar as áreas activas das placas, como também através da redução da concentração de iões de chumbo e sulfato no electrólito.
 
Este efeito de "sulfatação" é conhecido há muitos anos. Também é sabido que o efeito ocorre muito mais rapidamente se a bateria for descarregada totalmente, for deixada num estado descarregado por algumas horas, ou frequentemente subcarregada. Na verdade, as baterias maltratadas de qualquer destas formas tendem a ter uma vida útil muito curta.
Durante muito tempo, a sulfatação foi considerado como irreversível e as baterias que tinham perdido muita capacidade devido a este efeito foram simplesmente descartadas. Isto não era apenas um desperdício, mas também foi um problema ambiental, pois tanto o chumbo como o ácido sulfúrico são materiais altamente tóxicos.
 
Em meados do século passado, porém, as pessoas nas zonas rurais descobriram que poderiam "ressuscitar" baterias sulfatadas aplicando-lhe impulsos de alta tensão dos seus controladores de cerca eléctrica. Eles não entendiam exactamente porque este método funcionava, mas continuaram a usá-lo porque ele resultou.
 
Posteriormente, em 1976, o escritório de patentes dos Estados Unidos concedeu uma patente para William H. Clark de Salt Lake City, Utah, para um método de carregamento de baterias de chumbo-ácido por meio de pulsos de alta corrente. Este foi reivindicado como sendo mais eficaz para dissolver os cristais de sulfato de chumbo e, portanto, prolongar a vida da bateria. Desde então apareceram nas revistas electrónicas, uma série de projectos para rejuvenescedores de baterias tipo pulso ou "zappers", incluindo um publicado na SILICON CHIP em fevereiro de 2003.
 
Como funciona
clip_image002
O princípio básico usado neste tipo de “dessulfatadores “ é bastante simples: eles absorvem uma pequena quantidade de energia da própria bateria ou dum carregador ligado a ela, armazenam esta energia num condensador e voltam a devolve-la de volta à bateria como um impulso de alta tensão estreito (narrow). Por outras palavras, um curto impulso de corrente é forçado através da bateria na direcção de "carregar". São estes pequenos impulsos de corrente que são requeridos para dissolver os cristais de sulfato (desde que você seja paciente).
 
A Fig.1 mostra o esquema básico. Como se mostra, o circuito é constituído por dois indutores pequenos, um condensador electrolítico de 330µF, um diodo de recuperação rápida (D3) e um comutador electrónico de alta velocidade. O interruptor é actualmente o MOSFET de potência de canal-N (Q2), mas é mostrado na Fig.1 como um interruptor porque é assim que ele é usado. Durante a primeira fase de funcionamento do circuito (A), a corrente flui da bateria (ou de um carregador) e carrega o condensador electrolítico de 330µF via indutor L2 de 1mH. Esta fase dura cerca de carregamento 901µs, que é bastante longo comparado com a próxima fase.
 
Em seguida, durante a segunda fase da operação (B), o interruptor está fechado. Isto liga o indutor L1 de 220µH à terra (negativo da bateria), o que resulta num fluxo súbito de corrente a partir do condensador para L1. Como resultado, a energia armazenada no condensador é transferida para o campo magnético do indutor. Esta fase dura apenas cerca de 45µs, ou seja, apenas o tempo suficiente para a transferência de energia ocorrer. No fim da segunda fase, o interruptor é aberto novamente (C). Esta interrupção brusca da corrente no indutor causa uma inversão imediata da tensão através do indutor e assim aparece um impulso de alta tensão sobre o indutor com a polaridade mostrada.
 
Como resultado, um impulso de corrente de descarga do condensador de 330µF, flui para baixo através de L1, para cima através do diodo D3 e, em seguida, para a saída através da bateria. Esta é a terceira fase da operação do circuito. Essa sequência de eventos é repetida indefinidamente sempre que o "zapper" esteja ligado a uma bateria de 12V (ou uma combinação de bateria e carregador).
 
Logo que o impulso de energia de descarga de L1 tenha terminado, o condensador de 330µF começa a carregar novamente via L2. Então o resto da terceira fase torna-se a primeira fase do próximo ciclo de carga-transferência-descarga e assim sucessivamente.
 
NE555:
Normalmente, um 555 não pode produzir um ciclo de trabalho inferior a cerca de 55%. Isso ocorre porque o condensador temporizador C carrega através das Resistências R1 e R2, mas descarga através de R2.
Se queremos um ciclo de trabalho inferior a 55%, temos de modificar o circuito básico do 555 com um diodo para ignorar R2 durante a carga de C.
 
Circuito sem restrição de ciclo de trabalho:
clip_image003
A saída está ON por t1 segundos, em seguida OFF por t2 segundos.

t1 = 0,693 x R1 x C
t2 = 0,693 x R2 x C
(R1 e R2 são, em Ohms; C é em Farads)
 
 
clip_image005
Circuito
clip_image002[4]
Circuito modificado:
clip_image004

Lista de Material:
R1: 5kΩ D1 : 1N4148 C: 13nF L1: 220µH
R2: 100kΩ D2 : 1N4148 Cf: 100nF L2: 1mH
R3: 100Ω D3: Zener 12.4 V C3: 330µF L3: 1mH
R4: 15kΩ D4: BY228 C4: 220µF L4: 1mH
Q1: 2N3906 Q2: IRF540
Colocar em uso
 
Usar o “Zapper” é fácil - basta liga-lo aos terminais da bateria que se quer rejuvenescer.
Há apenas uma condição: se a bateria está descarregada de modo que já não pode fornecer a corrente necessária para operar o “zapper”, é necessário ligar um carregador à bateria para pelo menos poder iniciar o processo de rejuvenescimento (ver Fig.5. seguinte).
clip_image002[6]
Se bateria está muito mau estado, isto muito sulfatada, tem que manter o carregador ligado por um bom tempo.
Depois disso, é simplesmente uma questão de deixá-lo funcionar até que os cristais de sulfato sejam dissolvidos dentro da bateria. Isso pode levar algum tempo - de alguns dias a algumas semanas - por isso é preciso ser paciente.

Se ligar um carregador à bateria para alimentar o “zapper”, deve usar um indutor de núcleo de ar de 1mH (o mesmo que L2) em série com um dos fios do carregador - ver Fig.5.
Há duas razões para isso:
(1) para proteger o circuito de saída do carregador de possíveis danos; e
(2) para evitar que a impedância de saída relativamente baixa do carregador absorva os impulsos, reduzindo assim a sua eficácia.
 
Nem sempre funciona
 
Uma advertência final: nem todas as baterias de chumbo-ácido têm a capacidade de serem dessulfatadas usando este “zapper” (ou provavelmente, nenhuma outra coisa as poderá recuperar). Em algumas baterias, os cristais de sulfato de chumbo, resistem teimosamente ao efeito pulsante e a bateria pode, por vezes, até mesmo desenvolver um curto-circuito entre as placas.

Se a corrente de carga da bateria aumenta subitamente para um nível muito elevado remover a alimentação e marcar a bateria como uma que não pode ser salva.
 
Por outras palavras, não há garantias de que o “zapper” possa ressuscitar todas as baterias muito sulfatadas – e não pode. Mas, por outro lado, é fácil e barato de construir. Portanto, não há muito a perder em tentar.
 
Fotos:
clip_image002[8]clip_image004[4]
clip_image006

 
SILICON CHIP Julho de 2009

Versão revista do dessulfatador de baterias de Chumbo-ácido (“Zapper”) agora para trabalhar com baterias de 6V, 12V e 24V.

Aviso:
Nem todas as baterias podem ser rejuvenescidas por “zapping”. Elas podem estar demasiado sulfatada ou podem ter a ligação a uma célula em circuito aberto. Nem pode o “zapper” restaurar uma bateria que está desgastada, ou seja, uma em que o material activo nas placas foi severamente degradado.
Dependendo da bateria, é também possível que o eventual efeito de rejuvenescimento possa ser apenas temporário.

 

clip_image002[1]

clip_image004[1]

Alguns Detalhes do Circuito

A resistência de 150Ω em serie com a gate de Q2 tem por objectivo suprimir qualquer tendência se oscilação deste durante a transição de comutação.

O comutador S1 insere a resistência de 470Ω 5w em serie com a resistência de 100Ω quando a unidade é usada com baterias de 24V, para limitar a dissipação em ZD1 e ZD2.

Os diodos zener ZD3 e ZD4 formam um circuito de protecção de alta tensão para Q2 que tem uma tensão nominal máxima de 100V. Estes diodos zener limitam a tensão máxima do impulso para cerca de 70V.

Monitorização do nível de Impulso

D5 é um diodo ultra-rápido que faz parte de um circuito rectificador simples de meia onda com a resistência de 1MΩ e o condensador de 470nF. Estes fornecem uma tensão DC proporcional à máxima amplitude do impulso entre os terminais "Meter", que permitem a monitorização do nível do impulso com um multímetro digital (alta impedância).
O LED1 indica quando desulfatador de baterias (“Zapper”) está gerando impulsos e também dá uma ideia aproximada de sua amplitude.


Uma vez que os impulsos são bastante estreitos, o diodo D4 é usada para carregar o condensador de 22nF à sua plena tensão (menos a tensão da bateria através do condensador de 470µF) e o diodo emissor de luz é capaz de absorver uma corrente constante a partir do condensador através da resistência 6.8kΩ. Isso permite por o LED1 a brilhar bastante, sem retirar muita energia dos impulsos de “zapping”.

O Fusível F1 tem como principalmente objectivo proteger os indutores L1 L2 contra danos, no caso de Q2 entrar em curto-circuito ou seja comutado continuamente devido a uma falha no IC1 e nos seus componentes associados.

O comutador S2 é para permitir a ligação segura da unidade à bateria e o comutador S3 é para permitir a ligação segura de um carregador de baterias à bateria em qualquer momento.

O indutor L3 age como um bloqueador para os impulsos de “zapping” impedindo o carregador de absorvê-los e, eventualmente, ser danificado, enquanto que os condensadores de 10nF através de S2 e S3 são supressores faísca.

A resistência de 15Ω 5W entre L3 e S3 está lá para limitar a corrente que se pode tirar do carregador no caso da bateria desenvolver um curto-circuito durante o “zapping”.

 

 

Trabalhar com Baterias de Chumbo-ácido seladas

Estas baterias são conhecidos como baterias de chumbo-ácido seladas, VRLA (valve regulated lead-acid), ou de célula-gel. As Baterias VRLA, utilizam uma suspensão de gel no interior de um recipiente selado (As tampas circulares sobre cada célula não devem nunca ser abertas). Como consequência, eles não vazam, e podem ser posicionado em qualquer posição. Com múltiplas células de 2V, estão normalmente disponíveis em unidades de 6V ou 12V.

Teste

O estado de uma bateria de chumbo-ácido pode ser, em parte, determinado através do teste à sua tensão. Este teste só é preciso que a bateria foi desligada por várias horas, de preferência de 24 ou 48. Vai precisar de um multímetro digital:

 
 
Tensão da bateria de 6V

Tensão da bateria de 12V

Percentagem de carga

Comentários

6,37 V

12,73 V

100%

Bom

6,31

12,62

90%

Bom

6,25

12,50

80%

Deve ser carregada em breve.

6,19

12,37

70%

Deve ser carregada em breve.

6,12

12,24

60%

Deve ser carregada em breve.

6,05

12,10

50%

Deve ser carregada em breve.

5,98

11,96

40%

Deve ser carregada o mais rápido possível!

5,91

11,81

30%

Deve ser carregada o mais rápido possível!

5,83

11,66

20%

Deve ser carregada o mais rápido possível!

5,75

11,51

10%

A bateria está danificada

<5,75 <11,51 <10%

A bateria está danificada


 
 

O melhor método de teste para determinar a saúde de uma bateria é fazer um teste de descarga. Ligar uma carga conhecida à bateria e monitorizar a tensão.

Abaixo está um gráfico de descarga comum.

Geralmente, os ensaios de descarga são melhor realizados a 0,1C (1/10 da Capacidade amp/hora da bateria.) Pelo gráfico, a tensão permanece relativamente constante durante um período de tempo e em seguida começa a cair rapidamente.

 

clip_image002[3]

 
 
Referencias:

http://www.elektor.com.pt/revistas/2010/julho-047-agosto/dessulfatador-para-baterias-de-automovel.1445740.lynkx

http://individual.utoronto.ca/janzen/electronics/tutorials/battery/sla_working_with.html

domingo, 29 de janeiro de 2012

Amplificadores de Potência de Áudio

Amplificadores de Potência de Áudio (Classe B e AB)

O amplificador classe B
Para melhorar a eficiência de energia total do amplificador de classe A através da redução da energia desperdiçada na forma de calor, é possível projectar o circuito amplificador de potência com dois transístores no seu andar de saída produzindo o que é comummente denominado como configuração amplificador tipo "push-pull ". Os amplificadores Push-pull usam dois transístores "complementares", sendo um deles tipo NPN e o outro sendo tipo PNP com ambos os transístores a receber o mesmo sinal de entrada em conjunto e de igual magnitude, mas de fase oposta um do outro. Isso resulta que um transístor só amplifica metade do ciclo da onda de entrada ou 180º desse ciclo, enquanto o outro transístor amplifica a outra metade restante do ciclo de onda de entrada. As "duas metades" do ciclo resultantes são colocadas de volta juntas no terminal de saída.

Circuito Amplificador Classe B Push-pull (com Transformador):

amp24

Curvas Características de saída da classe B:

amp46

Circuito Amplificador Classe B Push-pull (sem Transformador):

amp25

O amplificador classe AB:

amp47

O circuito amplificador classe AB é um compromisso entre as configurações classe A e classe B. Esta muito pequena tensão de polarização diodo faz com que ambos os transístores conduzam ligeiramente mesmo quando não há sinal de entrada presente. Uma forma de onda do sinal de entrada fará com que os transístores operem normalmente na sua região activa, eliminando assim qualquer distorção de crossover presente nos amplificadores de classe B pura. Quando não há sinal de entrada, irá fluir uma pequena corrente de colector, mas é muito menor do que para a configuração de classe A. Isto significa então que o transístor estará "ON" por mais de meio ciclo da onda, mas muito menos do que um ciclo completo dando um ângulo de condução entre 180 a 360º ou 50 a 100% do sinal de entrada, dependendo da quantidade de polarização adicional utilizada.

 

Limitador VI em amplificadores de potência (VI limiter):

Tem como função limitar a corrente nos transístores de saída, mantendo a condução dentro da curva SOA (Safe Operating Area), específica para cada tipo de transístor e fornecida junto ao datasheet do componente. Segue abaixo uma figura com as curvas SOA de dois transístores muito utilizados em amplificadores de potência para áudio.
clip_image009
Num amplificador bem projectado, o circuito limitador VI deve entrar em acção somente em sobrecargas ou curto-circuitos, mantendo Ice em níveis seguros, porém não evita que os transístores dissipem energia, ou seja, aqueçam. Então, para que os transístores de saída não "queimem" por excesso de temperatura é utilizado também um circuito adicional desligando a saída ou diminuindo o nível de sinal na entrada, ou um circuito de protecção térmica, etc.

clip_image011
Figure 1 - Basic VI Limiter Circuit

Exemplo de Cálculo do limitador VI:

clip_image013

 

Ilim= 0,6*(R1+2*R2) / (RE*R2 - N*RL*R1)


Onde:·
Ilim é a corrente máxima por transístor, para operarem dentro da SOA·
R1 no exemplo é de 390R
R2 no exemplo é de 12k
N é o numero de pares da saída
RE é a resistência de emissor, no exemplo é de 0,47R
RL é a carga, 8 ohms, 4 ohms, 2 ohms...


Notas:

A relação de R2 para R1 deve ser de pelo menos 30X, ou seja, R1 de 390 e R2 de 12K. Mantendo-se esta relação a eficiência do circuito é grande.·
A substituição dos diodos que vão nas bases dos transístores por leds trás algumas vantagens: Linearidade na limitação de corrente. O led acende somente na limitação de corrente, agindo como um led de clip.

Esquemas de Amplificadores:

super amplificador da silicon chip

clip_image015

PWP8000

Esquema modificado da PWP8000 2AB
clip_image017

Amplificador de 660 ~ 700 Watts:

Schematic_Power_Amplifier_660w_Listado

Circuito da fonte de alimentação para o circuito do Amplificador de 700 Watts

 

clip_image021

 

Leach Amp Clone 6 transistor version:

Leach_ver_7.4.6_Sch_img_0

Leach amp with 6 output transistors - Schematics (PDF)

Leach amp parts list for 6 transistor version (PDF)

 

smps de 700 watts para amplificador leach:

50_KHZ700_WATTSMM 

Ver:

-/+ 50 v SMPS: bottom layer.pdf  

-/+ 50 v SMPS: components.pdf  

both side

 

Amplificador 800W:

amplificadorrselectronijb4

 

 

Audio Power Amplifier Module - the NCC200:

power-amplifier-circuit-ncc200-Z

 

 

 

Referencias:

Class B Amplifier - Transistor Amplifier Tutorial

Basic BJT Amplifier Configurations

Limitador VI (VI limiter) em amplificadores de potência:

http://www.schematicsforfree.com/archive/file/A...%20Protection.pdf
http://www.schematicsforfree.com/archive/file/A...%20Protection.pdf
http://www.schematicsforfree.com/archive/file/A...0Amp%20Design.pdf
http://www.schematicsforfree.com/archive/file/A...M%20Amplifier.pdf
http://www.schematicsforfree.com/archive/file/A...%20Amplifiers.pdf

Testing Amplifiers To Their Limits

The Protection Circuit

Amplificador de potência(Avançado)

Amplificadores: faça você mesmo

Amplificadores CICLOTRON

Amplificador de 660 ~ 700 Watts RMS 4 Ohms

DIY Audio Power Amplifier modules

DELTA AUDIO - Leach Amp Clone

Audio Related Things

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Controladores de Motores Brushless (BLDC Motor Controllers)

Implementação de Controladores de Motores DC sem escovas

Como o controlador deve dirigir a rotação do rotor, o controlador necessita de alguns meios de determinar a orientação / posição do rotor (em relação às bobinas do estator.) Alguns modelos usam sensores de efeito Hall (Hall effect sensors) ou um codificador rotativo (rotary encoder) para medir directamente a posição do rotor. Outros medem a força contra-electromotriz (back EMF) nas bobinas não alimentadas para inferir a posição do rotor, eliminando a necessidade de sensores de efeito Hall em separado e, portanto, são frequentemente chamados de controladores ‘sensorless’. Como um motor de corrente alternada, a tensão nas bobinas não alimentadas é sinusoidal, mas sobre uma comutação completa a saída parece trapezoidal por causa da saída DC do controlador. O controlador contém 3 ‘drivers’ bidireccionais para fornecer a alta corrente DC, que são controlados por um circuito lógico.

Os controladores mais simples empregam comparadores para determinar quando a fase de saída deve ser avançada, enquanto os controladores mais avançados utilizam um microcontrolador para controlar a aceleração, controlar a velocidade e afinar a eficiência.

Os controladores que sentem a posição do rotor com base na força contra-electromotriz têm desafios extras no início do movimento, porque nenhum back-EMF é produzido quando o rotor está parado. Isso geralmente é feito por rotação inicial de fase arbitrária, e, em seguida, saltando para a fase correcta se for determinado que era errada. Isso pode originar que o motor funcione brevemente para trás, aumentando ainda mais complexidade da sequência de inicialização. Outros controladores ‘sensorless’ são capazes de medir a saturação do enrolamento causada pela posição dos ímãs para inferir a posição do rotor.

A unidade de controlo é muitas vezes referida como um ESC, o que significa Electronic Speed Controller.

Exemplos de Controladores de Motores ‘Brushless’

1. Brushless Ctrl (or Electronic Speed Controller, ESC):

O Mikrokopter é alimentado por motores brushless.

( Um manual para construir e usar o BL-Ctrl pode ser encontrado em en/BL-Ctrl_Manual... )

As vantagens de tais motores são:

  • Alta eficiência e desempenho
  • Menor risco de interferência, como não há brushess ou artes
  • Numerosas fontes de motores com potência diferente e rpm por Volt.

No entanto, para utilizar estes motores com a corrente contínua das baterias, esta tem de ser convertida para corrente alternada trifásico, com potência de saída controlada para que a velocidade dos motores possa ser controlada com precisão.

Existem inúmeros controladores de velocidade brushless disponíveis no mercado. No entanto são poucos os disponíveis que possam satisfazer os requisitos especiais:

Precisamos de controladores de motores sem escovas, que possam aceitar um novo valor de aceleração muito rapidamente ( <0,5 ms) e aplicá-lo. Além disso, o controlador tem que ter um interface de barramento I2C.

Por esta razão, desenvolvemos um controlador de velocidade a preços razoáveis para motores sem escovas.

clip_image001

clip_image002

O manual para a construção, o diagrama, o software e a partslist estão todos disponíveis para downloads [http://www.mikrokopter.de/ucwiki/en/Downloads] …

Detalhes Técnicos

  • Tamanho 20 * 43mm
  • BL-Ctrl Versão 1.2: 10-12A potência de saída contínua de aproximadamente 160W
  • BL-Ctrl Versão 1.2: Corrente de pico: 20A -> Potencia de pico de saída de 375W (Max. vários segundos)
  • BL-Ctrl Versão 2.0: Corrente de pico: 40A -> Potencia de pico de saída de 650W (Max vários segundos)
  • Controlador: Atmel ATmega8 ou ATmega168 (apenas BL-Ctrl_2.0)
  • Medição da energia e limitação de corrente do lado da corrente contínua do ESC
  • Dois LEDs (verde: Ok e vermelho: Erro)
  • Medição de tensão da Bateria e de reconhecimento de tensão baixa
  • O software é escrito em C e a fonte está disponível para download
  • Diversos interfaces de entrada possíveis, para aceleração (I2C PWM, série)
  • Um receptor pode ser alimentado a partir do barramento de 5V do ESC (max. 50mA) (Nota: você não pode alimentar o controlador de voo ou os servos a partir destes ESCs).

Interfaces Possíveis:

Interface serie assíncrono (tanto para o controle do acelerador ou depuração)

I2C (para controle de aceleração de alta velocidade)

Princípio de operação: sinal PWM (sinal de saída padrão de um receptor RC)

Configurável pelo barramento I2C usando Koptertool -> o Koptertool pode permanecer conectado à Navi ou o FC (apenas BL-Ctrl_2.0)

Jumper para os endereços 1-4 e 1-8 (somente BL-Ctrl 2.0)

O controlo de motores brushless é trifásico em grupos de pulsos PWM.

MOSFETs

clip_image003

O andar de saída de potência consiste de um MOSFET Canal-N e de um MOSFET Canal-P para cada uma das três fases.

O MOSFET Canal-P exige um transístor para ser capaz de mudar o potencial de porta num pino de saída do controlador.

O reconhecimento da posição do rotor

clip_image004

Esta parte simples do circuito, permite medir a posição do rotor no motor brushless. Este cálculo (a média) é efectuado a partir das tensões de cada uma das fases do motor numa estrela virtual. O controlador compara as tensões filtradas das fases com a tensão média e usa isso para calcular a posição (timepoint) para comutação, que é o momento no tempo em que andar FET é comutada para a próxima fase.

Medição da energia

clip_image005

Existe um ‘shunt’ no PCB, que consiste numa pista mais larga de cobre, que é um pouco alongada, semelhante ao traçado neste desenho. A queda de tensão nesta derivação permite ao controlador calcular a potência utilizada, e reduzir a energia se amperagem é excessiva.

O software não corta a energia de repente, mas diminui-a gradualmente. Isto garante que a aeronave não cai de repente do céu, se o ESC está perto da sua potência máxima.

Microcontrolador

clip_image006

É usado como microcontrolador o Atmel Atmega8.

Ele tem algumas características importantes exigidas para o uso em controladores de velocidade como:

comparadores analógicos com multiplexers. Além disso, possui interfaces serie e um interface I2C integrado no chip.

Software update

Deve ser usada a ligação lateral do MKUSB.

clip_image007clip_image008

Files: Downloads: BL-Ctrl

Ligações:

clip_image009

clip_image010

Esquema:

clip_image011

clip_image012

BL_CTRL_V1.0/V1.1

 

2. I can probably get some 18 mosfet controllers!!:

clip_image002[4]

 

3. Instant Start 18 fet Infineon Boards are here...:

Esquema com 6 FET:

clip_image004[5]clip_image006[5]clip_image008[4]

Referencias:

Como Funcionam os Motores DC Brushless (BLDC Motors)

Brushless DC electric motor

BrushlessCtrl

BL-Ctrl_Manual

Microchip AN857 – Brushless DC Motor Control Made Easy

Atmel AVR444 – Sensorless control of 3-phase brushless DC motors

Atmel AVR443 – Sensor-based control of three phase brushless DC motor

Atmel AVR194 – Brushless DC motor Control using ATmega32M1

I can probably get some 18 mosfet controllers!!

Instant Start 18 fet Infineon Boards are here...

 
View My Stats